O leitor de nuvens

Era esse o homem que habitava a casa da vinha sobre a Rocha. Verão atrás de Verão, Inverno após Inverno, os seus olhos seguiam o andamento das nuvens, a que dava nomes quase  familiares como Boca da Baleia, Cabeça do Toiro ou Nuvem da Prainha. E, ao decifrar o seu perfil transitório, de cada uma delas recebia notícias do futuro: o caminho e a cavalgada dos ventos, as longas estiagens e as suas fomes, a arribação dos pássaros, o corpo dado à costa sobre um pranchão de naufrágio.

Creio  que lhe chamavam o Sábio e procuravam-no sempre antes das pequenas ou das grandes viagens que poderiam alterar os rumos da vida; mas o seu fascínio talvez resultasse mais desse modo que tinha de escapar ao imediatismo do quotidiano para se entregar ao desvendamento do mistério das coisas, à leitura dos sinais que orientam os passos de cada dia.
De certo e seguro apenas sei que, quando morreu, em vão tentaram homens e mulheres baixarlhe as pálpebras sobre o seu definitivo sono. Por isso, a imagem última que dele retenho é a dos seus olhos transparentes de tanto olhar o céu.

(Que paisagem apagarás)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s